• Telefones: (21) 2208-6473 - (21) 2268-9907 - (21) 98725-6475 Email: ifen@ifen.com.br

A Psicologia Fenomenológico-Existencial: Contextualização

Ana Maria Lopez Calvo de Feijoo 1996

Etimologicamente, psicologia significa ciência da alma. A curiosidade acerca da alma sempre foi e continua sendo uma caracterêstica do homem. O primitivo considerava a alma como uma entidade responsável pelas manifestações de natureza subjetiva, que se justificava pela vivência dos sonhos, pelas manifestações delirantes e pela experiência da morte, chegando a conceituá-la como substância sutil numa concepção materialista, constituindo um duplo.
Aristóteles, também interessado no estudo da alma, porém com o propósito de averiguar sua imortalidade, definiu-a como o ato prime.iro, ou seja, como perfeição fundamental de um ser vivo.
Atualmente, a alma ainda constitui-se num alvo de interesse do homem contemporâneo e é descrita como um substrato substancial das representações, das sensações, das emoções, dos sentimentos; enfim, de uma expressão psêquica.
Ocorre que com o advento da ciência, a alma, como objet6 de estudo, tomou-se inconcebêvel. A psicologia passou a ser definida como a ciência que estuda o comportamento. O comportamento substitui a alma, uma vez que a ele é possível empregar todos os princêpios cientêficos e seus respectivos métodos, principalmente o método hipotético-dedutivo.
Por conseguinte, a psicologia passou a pertencer ao rol das ciências naturais, que contêm no bojo de seu objeto de estudo os fenômenos fisiológicos. Neste aspecto a psicologia fica reduzida à fisiologia
Brentano surge em ferrada oposição a Wundt como a qualquer outra proposta que considere os fenômenos psicológicos como epifenômenos. Por outro lado defende que não cabe à psicologia preocupar-se com a condição da imortalidade da alma. Este ponto de vista fica claro na passagem de seu livro Psychologie du point de vie empirique (1944):
"Assim, anunciar-se-ia para a psicologia, o mesmo espetáculo que vimos acontecer com as ciências da natureza. Foi a ambição dos alquimistas de produzirem ouro, fazendo ligas de metal, que os levou às pesquisas quêmicas. Mas tendo atingido a maturidade, a ciência renunciou à transmutação como coisa impossêvel." (p.43)
Desta forma identifica-se em Brentano uma nova direção ao estudo dos fatos psicológicos. Define a psicologia como a ciência dos fenômenos psêquicos, cuja verdade é somente uma verdade relativa, visto que anterior ao comportamento há a intencionalidade do homem, cujo ato consciente se revela livre.
A partir da possibilidade oferecida por Brentano, surgem seus discêpulos com o propósito de
aprofundar os conhecimentos sobre intencionalidades Entre eles pode se destacar Freud e Husserl. Do primeiro desenvolve-se a Psicanálise, enfatizando a intencionalidade inconsciente. Do segundo surge a Fenomenologia destacando a consciência intencional.
Husserl cria o método fenomenológico, que não pretende ser dedutivo, nem empêrico, consistindo na descrição do fenômeno, tal como ele se apresenta, sem reduzi-lo a algo que não aparece. Considera como fundamental a relação. Epistemologicamente, opõe-se à visão de sujeito e objeto isolados, passando a considera-los como correlacionados, já que a consciência é sempre intencional.
A escolha pelo método fenomenológico pode parecer estranha. O método pode até ser questionado com relação à sua cientificidade. Nas palavras de Gil (1995), estudioso dos métodos da ciência: "a adoção do método fenomenológico implica uma mudança radical de atitude em relação à investigação cientêfica. Por essa razão é que embora muito comentado, o método fenomenológico não vem sendo muito empregado na pesquisa social" (p.33).
A psicologia fenomenológico-existencial propõe a aplicação do método fenomenológico aos princêpios existenciais constantes da realidade concreta.
A proposta existencialista inicia-se nas reflexões de Kierkegaard sobre a existência, que se opunham a toda filosofia racionalista, principalmente a Hegel, cujo interesse residia no homem abstrato, cuja vivência caberia num sistema explicativo e absoluto. Kierkegaard afirma a existência concreta, onde a verdade é construêda na vivência de cada homem, portanto sendo impossêvel ser abarcada por um sistema.
Heidegger vai ser o primeiro a empreender a tarefa de aplicar o método fenomenológico aos princêpios existenciais propostos por Kiekegaard, entre eles: a verdade, a liberdade, a angústia, o desespero, a solidão e a decisão.
Na psicologia foi Rollo May (1954), quem em seu livro Existencia primeiro sistematizou as idéias dos fenomenólogos tais como Binswanger, Medard Boss e outros, bem como explicitou a proposta da psicologia existencial como um enfoque capaz de lançar luz sobre uma maior compreensão da existência humana. A psicologia fenomenológico-existencial constitui-se numa tentativa de refletir e propor soluções às questões da vida cotidiana. Neste aspecto tem como pretensão não só a reflexão, como também extrair daê uma praxis.
MAY, Rollo; Ellenberg. Existencia. Madrid, Gredos, 1954.
BRENTANO, Franz. Psychologie du point de vie empirique. Paris, Montaigne, 1944.
HUSSERL, Edmund. A idéia da Fenomenologia. Lisboa, Edições 70, 1958.
GIL, Antônio C.. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo, Atlas, 1995.

Ana Maria Lopez Calvo de Feijoo

Sobre Nós

O IFEN é uma instituição sem fins lucrativos que, desde sua criação, visa divulgar uma outra possibilidade de considerar a Psicologia, como uma área de estudo que se dirige à existência tal como ela se dá no próprio ato de existir.

Informações

03 Maio 2018
03 Maio 2018
03 Maio 2018

Contatos

Rua Barão de Piracinunga, 62 - Tijuca - Rio de Janeiro/RJ - CEP: 20521-170
Telefones: (21) 2268-9907
(21) 2208-6473
(21) 98725-6475
E-Mail: ifen@ifen.com.br
© 2018 Your Company. All Rights Reserved. Designed By JoomLead
Ainda não tem login no nosso site?
Clique aqui e cadastre-se agora!

Entre na sua conta